Resenha: Hwayi: A Monster Boy

- Filme
 
Feliz Ano Novo assimétricos, queria até fazer algum post comemorativo, mas como o blog tem pouco tempo de vida, decidi fazer só no final de 2017, afinal o ano sempre passa voando. Estava vasculhando o Kingdom Fansub atrás do filme Hyung, porém não o encontrei, em compensação, para minha sorte vi um título que me chamou bastante atenção, Monster Boy. Fiquei curiosa assim que li a sinopse inusitada e vi o trailer cheio de ação, posso dizer que valeu a pena.

Nome: Hwayi: A Monster Boy
Diretor: Jang Joon-hwan
País: Coreia do Sul
Ano: 2013
Duração: 2h05min
Gênero: Suspense e Ação.
Nota: 9,5
Sinopse: Cinco integrantes de uma gangue, liderada por Seok-Tae (Kim Yun-Seok), sequestraram um garoto chamado Hwa-Yi e o criaram como o seu próprio filho. O bebê, agora com 17 anos (interpretado por Yon Jin Goo) foi treinado para se tornar um assassino letal. Ao participar com seu pai do seu primeiro assassinato, Hwa-Yi descobre seu próprio passado.

 
 
 

Antes de começar a resenha quero fazer uma pergunta, será mesmo que o meio influencia no caráter do homem? Em A Monster Boy, somos apresentados a uma historia pouco convencional, no qual essa pergunta é colocada a prova e no fim refletimos sobre a resposta. O filme tem um começo intrigante, uma criança assustada na escuridão preste a se atacada por monstros, logo em seguida, a história começa a tomar forma  e conhecemos o grupo de 5 assassinos em ação. O desenvolvimento é envolvente e a cada minuto estava mais e mais vidrada na trama. De alguma forma eles conseguiram mostrar um lado humano e paternal de pessoas que até então eram denominadas monstros pela sociedade.

O roteiro teve o exito de trazer um lado sensível a trama, mesmo com todo aquele clima pesado, pois convenhamos em A Monster Boy, não houve moderação em cenas de assassinatos brutais. Além disso, o tema vingança foi muito bem abordado na trama, pois Hwayi assim que soube a verdade sobre sua vida, se voltou contra as pessoas que lhe criaram e que até então ele chamava de pais. Embora os personagens sejam maus, ainda assim, tiveram carisma e por algum motivo conseguimos até simpatizar com eles. Cheguei até cogitar um final em aberto, mas bem nos últimos minutinhos as coisas foram acertadas.

Quando tinha 7 anos Hwayi foi sequestrado por cinco assassinos profissionais e por algum motivo o líder da gangue, Seok-Tae, decidiu cria-lo com a ajuda dos outros. Ao longo de sua criação, foi treinado para ser um assassino igual ao seus “pais”, entretanto mesmo com todo o treinamento, ele era diferente deles, principalmente pelo fato de não conseguir matar, fora que, ele queria ter uma vida normal. Depois de ir para seu primeiro assassinato, ele encontra uma foto de uma criança que parecia com ele e logo descobre que a primeira pessoa que matou era na verdade seu verdadeiro pai e que sua mãe corre risco de vida. Agora Hwayi usará de suas habilidades para se vingar de seus falsos pais   e proteger sua verdadeira mãe.

Era evidente como Hwayi queria ser um adolescente normal, tinha talento para o desenho e desejava frequentar uma escola de Artes. Quando pequeno tinha medo de um monstro que aparecia na sua mente, mas Seok-Tae para educar-lo, prendia o garoto no porão da casa até que ele tomasse coragem para enfrentar a criatura. O personagem sofreu uma forte mudança depois que descobriu a verdade sobre sua vida, antes não conseguia matar por ver o monstro na sua frente, mas logo ele acabou por se tornar um. Por conseguir aprender com facilidade, conseguiu absorver todo o treinamento e sem relutar pois em prática sua vingança. Em nenhum momento ele fraquejou, quer dizer, teve momentos que ele quase hesitou, mas estava tão focado em proteger sua mãe, que cortou qualquer laço que tinha com sua suposta família.

O principal era inteligente e soube fazer um plano que fiquei tipo, “Como ele pensou nisso?”. Mesmo tendo como inimigos assassinos profissionais, se manteve forte o tempo todo, mas como era de se esperar, ele também sofreu com uma confusão na cabeça. Desde do momento que conheci a atuação de Jin Goo sabia que o rapaz tinha futuro, mas nunca imaginei que ele conseguiria fazer um papel como esse, ele soube manejar bem as cenas de ação e de drama, numa forma que as emoções foram passadas para a gente.

 

Os personagens, principalmente os membros da gangue, tinham carisma ao ponto de até simpatizar com eles. Podiam ter uma maneira bem inusitada de educar Hwayi, mas dava para ver que eles tinham afeto pelo rapaz, fora que cada um tinha um jeito diferente de agir e uma especialidade para passar ao seu “filho”. Como tinha dito antes, o roteiro conseguiu mostrar um lado humano e até paterno neles. Além deles, havia uma organização que queria os verdadeiros pais do principal mortos, porque eles não queriam sair de sua casa e isso iria prejudicar os planos do líder dela, logo não precisa dizer, que ela também entrou na lista de vingança. (rsrs)

Havia uma mulher que vivia junta a Gangue e que ajudou a criar o garoto como se fosse sua mãe, trabalhava nos afazeres domésticos e estava mantida presa. Fora ela, na trama também vamos conhecer um detetive que tem um forte remorso contra eles, devido a um incidente que acontece logo nos primeiros minutos de filme, ele era criativo e um pouco sem noção, mas até que era bem inteligente. Pulando para o final, teve cenas pesadas e  uma boa carga de emoção, além de ter deixado nenhuma ponta solta.

Conclusão

O filme tem um roteiro original e foi bem desenvolvido, além ter conseguindo trazer algo mais profundo e sensível junto com aquele clima pesado. Os personagens são carismático e bem construídos, além de ter tido uma boa atuação. O final não foi perfeito, mas não deixou nenhuma ponta solta, além nos deixar pensativos sobre tudo que aconteceu, vi até os créditos, pois a arte que aparecia era tão bonita que chegou até dar saudade dos personagens. Entretanto, não recomendo o filme para quem é sensível a cenas com sangue e morte, pois isso é o que tem de sobra aqui.

 
Onde ver
 
Kingdom Fansub (Com cadastro)
Subarashii Fansub (Sem cadastro)
 
 

Previous Story
Next Story

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply