Resenha: A Seleção

. 1 Comentários .
In Livro

Tudo bem com vocês? Ah, comigo? Sim, melhor agora! Hoje trago a Resenha de A Seleção. Muita gente julga o livro por achar que ele será mais um daqueles clichês previsíveis, tá! Confesso, tem coisas que são previsíveis, como o triangulo amoroso e o príncipe gostando logo da única menina que não queria ser princesa, mas enfim, por trás de todos esses clichês há sim uma historia interessante, por isso…Vamos dar uma chance?

 

Nome: A Seleção
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Ano: 2012
Paginas: 368
Nota: 9,0
Gênero: Romance e Ficção.
Sinopse: Nem todas as garotas querem ser princesas. America Singer, por exemplo, tem uma vida perfeitamente razoável, e se pudesse mudar alguma coisa nela desejaria apenas ter um pouquinho mais de dinheiro e poder revelar seu namoro secreto. Um dia, America topa se inscrever na Seleção só para agradar a mãe, certa de que não será sorteada para participar da competição em que o príncipe escolherá sua futura esposa. Mas é claro que seu nome aparece na lista das Selecionadas, e depois disso sua vida nunca mais será a mesma…

No começo pensamos que A Seleção seria mais um daqueles romances previsíveis, mas ao decorrer da trama percebemos que existe algo bem além disso, pois temos uma divisão de classes injusta e o por que não dizer, um cenário politico? Claro que, como é o primeiro livro da trilogia, temos apenas a ponta do Iceberg, sendo assim não é tão aprofundado nesse aspecto. Saindo um pouco desse lado mais serio, no reality em que as 35 ou melhor 34  participantes buscavam a atenção do príncipe, era de se esperar a rivalidade entre todas, no entanto, a Autora mostrou que é possível em meio a uma competição existir uma irmandade entre algumas das participante, haja visto que existia um ou duas que estavam focadas em acabar com a concorrência.
Além disso, não podemos esquecer o romance, pois gostei da forma que ele foi desenvolvido na trama, foi lenta e até gostosa de acompanhar.

America e Maxon, começaram como amigos e até confidentes, dessa forma, não ficou aquela coisa forçada de amor a primeira vista, que muitos do gênero apresentam, pois eles se conheceram melhor antes de nascer alguma coisa entre os dois. Por ultimo, o final deixa aquela pulga atrás da orelha e ainda lembro de algumas coisinha da A Elite que me deixaram com raiva, por isso já estou me preparando para a releitura. (rsrs)

“Acho que a melhor maneira de esconder um segredo é deixá-lo descoberto”

America Singer é uma jovem de Casta 5, ou seja, faz parte das 4 inferiores. Para sobreviver sua família trabalha com áreas artísticas e sua aptidão é com a musica. A sua vida começa a mudar quando uma carta chega a sua casa, nela tinha um comunicado avisando que haverá a A Seleção – O concurso para escolher a futura esposa do príncipe, e todas as jovens de Illéa  são convidadas a se inscreverem, mas apenas uma de cada província será selecionada. A mãe de America ver nesse concurso a chance de sair da pobreza e faz de tudo para que a sua filha teimosa se inscreva. Porém todos os esforços eram inúteis, pois a jovem já tinha alguém no seu coração, um jovem de Casta 6 chamado Aspen, os dois estavam apaixonados, mas a vida difícil os impediam de casar. Depois que seu amado lhe pediu para que pelo menos se inscrevesse. America, se convence e faz a inscrição. O que ela não esperava, era que seu nome em meio as vários, foi escolhido.

America tem uma personalidade forte e é um pouco cabeça dura. No entanto, se mostrou humilde e trabalhadora. Ela via a Seleção como algo ruim, uma especie de prisão, mas para ela isso era melhor do que ter que encarar Aspen, aquele que quebrou seu coração antes dela partir. Na sua primeira noite no palácio,  teve uma especie de ataque de panico e tentou sair para o jardim, mas foi impedida pelos guardas. Sua salvação foi um homem de voz autoritária que pediu lhe deixassem sair. Ainda cabalando consegue chegar a um banco e se senta, ao lado dela, estar o príncipe Maxon, um rapaz calmo e que nem mesmo a raiva de America conseguiu irrita-lo, pelo contrário fez com que ele tentasse ajudar a jovem. Os dois então viram amigos e America ficaria na competição como uma especie de conselheira até que ela se recupere do seu coração partido.

Antes de conhecer o príncipe, para a nossa mocinha, ele era um rapaz rígido e um pouco entediante, mas ao conhecer-lo melhor, percebeu que por baixo de toda aquela perfeição, tinha uma pessoa normal que via na seleção uma maneira de encontrar uma companhia, fora que ele era bem humorado e ótimo ouvinte. Já Aspen, o que dizer dele? Amava America, mas deixou que seu orgulho separasse os dois, preferiu perder a amada a ter que se inferior a ela. Confesso que senti muita raiva dele, mas não posso esquecer que ele tinha preocupação em relação a ela, não queria que ver-la passar pela mesma situação que sua família.

Como eram 35 participantes, poucas tiveram destaque na trama, por isso vou falar apenas de algumas. Marlee é de Casta 4, uma jovem energética e cativante que logo que cara se torna melhor amiga de America, as duas se ajudam mutuamente. Celeste uma jovem sedutora de Casta 2 que é uma verdadeira vaca e não irá poupar esforços para destruir a concorrência. Kris é uma jovem elegante e bonita, mas não tenho uma boa imagem sobre ela.

Conclusão

Enfim, a Seleção é um bom livro para quem gosta de historias com temática futurísticas e de um romance lento e gostoso de se ler. Ele consegue prender sua atenção ao ponto de assim que terminar ir direto para o segundo. Porém já vou logo avisando que se estiver saturado de historias do gênero, pode ser difícil gostar.

 

 

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply
    InFan Online
    setembro 4, 2017 at 1:58 am

    Já tinha lido uma resenha desse livro e desde então estou doida para ler. Após essa então, assim que entrar uma grana vou comprar.

  • Leave a Reply