Resenha: A Elite

. 0 Comentários .
In Livro

Olá Girafinhas. Finalmente trouxe a resenha de A Elite. Já havia terminado o livro há algumas semanas. Porém por causa do tempo nublado ficava difícil tirar uma boa foto para colocar no post. Como hoje o dia amanheceu uma beleza, aproveitei a chance para fazer a Resenha. A Seleção foi um livro que me fez amar o casal, mas a A Elite quase que destruiu o amor que tinha por ele. Dos três livros, esse foi bem sofrido para mim e estava pensando seriamente se deveria continuar a trilogia. Já digo de antemão que A Escolha estar conseguido se redimir comigo e até agora estou gostando.

Nome: A Elite
Autora: Kiera Cass
Editora:Seguinte
Ano: 2013
Paginas: 360
Gênero: Romance, Distopia, Drama
Sinopse:A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto. America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer e ela está prestes a perder sua chance de escolher.

Quando li A Elite pela primeira vez não havia ficado com tanta raiva quanto fiquei depois de ter relido. Certo que a politica de Illéa foi melhor abordada na trama. Assim como, os ataques dos rebeldes ficaram mais intensos e ganharam maior significado. Porém esse dois pontos altos não foram suficiente para encobrir a enrolação do romance. Não que esteja sendo dura com America, pois ainda gosto dela, mas sua indecisão ficou repetitiva e até cansativa. 

Havia momentos que America estava “decidida” a ficar com Maxon, assim como se mostrava arrependida e corria para os braços do Aspen. Em um certo ponto pareceu que America estava limitada a apenas isso. Entretanto, os poucos momentos em que pôde mostrar sua essência, se mostrava uma personagem forte e destemida, coisa que poderia ter sido melhor aproveitada. Como havia dito, os conflitos políticos foram melhor desenvolvido e descobrimos parte da historia de Illéa.

A Seleção agora é Elite e de 35 garotas apenas 6 restaram. America estar entre elas, porém não sabe se estar preparada para ser princesa. Para completar, Aspen seu primeiro amor que ainda não esqueceu estar no palácio como guarda real. Como a concorrência estar acirrada o romance de America e Maxon vira uma verdadeira montanha russa de emoções. Além disso, America se aventura na história de Illéa através do Diário de seu fundador. 

America foi uma personagem que dividiu minha opinião. Teve momentos que estava querendo dar tapas na personagens, assim como houve momentos que estava orgulhosa dela. Mesmo que Maxon tenha lhe garantido o seu coração, não se julgava certa para ser princesa. Além disso, não conseguia esquecer Aspen, aquele que sempre poderia contar. O problema estar ai, a indecisão da personagem se tornava repetitiva e irritava um pouco. Sei que é difícil ser sincera consigo mesma, mas a sua demora tornava as coisas mais difíceis para os três. Os momentos que America conseguia ser ela mesma, mostrava sua coragem e uma determinação nobre, dois atributos que poderia ser melhor aproveitados na trama.

Maxon perdeu parte de sua perfeição tornando-se mais humano. Além disso, sua paciência com America estava acabando, o que o levou a procurar afeto nas outras. É difícil ainda me acostumar com o fato da America ter que dividir Maxon com outras garotas, mas estou me acostumando. Enfim, em A Elite, conseguimos conhecer o outro lado do personagem, um lado mais natural. Em alguns momentos fiquei decepcionada com ele, mas tenho que admitir que o mocinho foi até que compreensivo. Além disso, é complicado para ele aguentar toda a carga de ser príncipe, fora que seu pai não é dos mais afetivos.

Como há poucas concorrentes fica mais fácil conhecer-las melhor. Mesmo assim, a Kriss foi a que ganhou mair destaque das cinco. A personagem foi motivo de querer arrancar os meus cabelos de raiva (rsrs). Uma concorrente forte, estar no mesmo nível que America, porém não consigo ir com a cara da criatura, pois é um tanto sonsa. (Pronto falei u.u). Celeste continua a mesma de sempre, mas tenho que admitir que gosto do seu jeito sincero e aberto de agir. 

Aprofundamento da história

Maxon dar a America o diário de Gregory Illéa e em meio as suas leituras acaba descobrindo a verdade. Nessa parte o livro conseguiu me conquistar, pois a autora soube explicar bem como foi a formação do país. Além disso, por meio do diário temos mais ou menos o perfil de Gregory Illéa e assim conseguimos tirar nossas conclusões sobre o personagem. As invasões dos Rebeldes ficaram mais intensas e temos uma visão melhor da diferencia entre os dois grupos. Assim como, dar uma brecha para entendemos o que se passa na cabeça dos rebeldes. 

Nota

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply