1. 10 Coisas que espantam qualquer leitor de um blog
  2. 10 Motivos para assistir Abnormal Summit
  3. 10 Dicas para fazer uma boa Resenha
  4. 3 Decepções Literárias
  5. 4 Clichês que nunca perdem a graça
  6. 5 Coisas que viciados em Livros já deve ter passado
  7. 5 Comédias Românticas Que Fogem aos Padrões
  8. 5 Doramas para te encher de Fofura
  9. 5 Filmes coreanos para assistir nas férias.
  10. 5 Filmes de Época para se apaixonar
  11. 5 Motivos para assistir Re: mind
  12. 52 Filmes em 52 Dias: As Sufragistas
  13. 52 Filmes em 52 Semanas: Marathon
  14. 6 Motivos para ler Extraordinário
  15. 7 Motivos para se apaixonar por I’m Not a Robot
  16. Acabe com a Neura do Layout Perfeito
  17. Resenha: Alice – Boy From Wonderland
  18. Show do Asian Kung Fu Generation em Fortaleza ( Um Sonho Realizado)
  19. Resenha: As Travessuras de uma Sereia
  20. Blogagem Coletiva: 3 Top das Galáxias
  21. Blogagem Coletiva: O que aprendi com a minha mãe
  22. Bora economizar? Aprenda a usar o Cupom Válido.
  23. Cantores que você precisa conhecer
  24. Capitão Fantástico e O Palhaço – Dois Filmes para por no pontinho
  25. Coisas que você precisa saber antes de migrar para o WordPress
  26. Conheça a animação nacional Até que a Sbornia nos Separe
  27. Conheça a tocante historia de Com amor, Van Gogh.
  28. Conheça a Ilustradora Daieny Schuttz.
  29. Conheça nossa nova parceira a autora Nina Spim.
  30. Conheça Wanna One e o programa que o formou – Produce 101 Season 2
  31. Conta Premium – Dramafever X VIKI
  32. Dar para se amar sendo fora do Padrão, beleza?
  33. DEAN aquele cantor que todo mundo precisa escutar
  34. Death Note: Iluminando um Novo Mundo. Uma nova historia com a mesma essência.
  35. Desafio: 12 meses Literários
  36. Desafio: 52 Filmes em 52 Semanas
  37. Resenha: Dirk Gently’s – 1° Temporada
  38. Doramas que precisam de Segunda temporada para já!
  39. 5 Doramas psicológicos que você tem que assistir
  40. Edição Econômica X Edição Normal – Qual vale a pena?
  41. Especial Dias das Mães: Indicação de Filmes
  42. Estreias de Doramas: Janeiro e Fevereiro 2017
  43. Faça edições incríveis com o Canva
  44. Filme: Judge
  45. Fragmentos do Horror – Horror em forma de arte
  46. Guia: Doramas para Iniciantes – Parte 1
  47. Para que plagiar se pode encontrar imagens de graça?
  48. Indicação: 5 Doramas que andei assistindo e recomendo.
  49. Lápis de cor Leo&Leo valem a pena?
  50. Melhores e piores adaptações de Animes/Mangás.
  51. Minhas Próximas Leituras
  52. Moana: Um Mar de Aventuras
  53. O que 2017 me deixou?
  54. O que andei assistindo…
  55. O que andou acontecendo na minha vida nesse período.
  56. O que tem na minha estante? Minhas Capas favoritas.
  57. Resenha: O Lar das Crianças Peculiares
  58. Onde assistir Doramas? Os Melhores Fanbub’s e App’s para te ajudar.
  59. Passe a Sexta- Feira 13 com a Saga Uma Noite de Crime
  60. Por que é importante não ter medo de mudar?
  61. Porque a nova cara do clichê é tão necessária.
  62. Precisamos falar sobre a musica Instagram do DEAN
  63. Presence of the Almighty
  64. Presentes para O Dia dos Pais
  65. Querido(a) Blogueiro(a), mais respeito pelo trabalho dos colegas.
  66. Resenha: Rebel- Thief Of The People
  67. Resenha: 13 Reasons Why / Os 13 Porquês
  68. Resenha: A Bela e a Fera – Livro
  69. Resenha: A Elite
  70. Resenha: A Escolha
  71. Resenha: A Seleção
  72. Resenha: Achados e Perdido. – A Literatura pode mudar vidas.
  73. Resenha: Assassin’s Creed – Livro Oficial do Filme
  74. Resenha: Até que a Culpa nos Separe
  75. Resenha: Atypical
  76. Resenha: Battle Royale
  77. Resenha: Caraval
  78. Resenha: Cart
  79. Resenha: A Casa Vazia
  80. Resenha: Chicago Typewriter
  81. Resenha: Circle
  82. Resenha: Corte de Espinhos e Rosas
  83. Resenha: Corte de Névoa e Fúria
  84. Resenha: Deixe-me Em Paz
  85. Resenha: El Bar
  86. Resenha: Em Algum Lugar nas Estrelas
  87. Resenha: Goblin – The Lonely and Great God
  88. Resenha: Good Doctor
  89. Resenha: A História do Brasil Para Quem Tem Pressa
  90. Resenha: Hush – A Morte Ouve
  91. Resenha: Hwayi: A Monster Boy
  92. Resenha: Hyung
  93. Resenha: Koe no Katachi / A Silent Voice
  94. Resenha: Las Chicas del Cable
  95. Resenha: Las Chicas del Cable – 2° Temporada
  96. Resenha: Liar Game versão Coreana
  97. Resenha: Lion – Uma Jornada Para Casa
  98. Resenha: A Longa Marcha
  99. Resenha: Lookout
  100. Resenha: Moon Lovers Scarlet Heart Ryeo
  101. Resenha: My Wife’s having an affair Week
  102. Resenha: Naked Fireman
  103. Resenha: Nerve – Um Jogo Sem Regras
  104. Resenha: O Guia do Mochileiro das Galáxias
  105. Resenha: O Menino da Lista de Schindler
  106. Resenha: O Mínimo Para Viver
  107. Resenha: O Nevoeiro, mais uma decepção para lista.
  108. Resenha: O Sorriso da Hiena – Os Fins justificam os meios?
  109. Resenha: Oh My Venus
  110. Resenha: Pandora
  111. Resenha: Princess Hours Thai
  112. Resenha: Reportagem Exclusiva
  113. Resenha: Requisitos Para Ser Uma Pessoa Normal
  114. Resenha: Rotas de Fuga
  115. Resenha: Save Me
  116. Resenha: The Sound Of Your Heart
  117. Resenha: Stranger / Secret Forest
  118. Resenha: Stranger Things – 1° Temporada.
  119. Resenha: Strongest Deliveryman
  120. Resenha: Sukina Hito Ga Iru Koto
  121. Resenha: Tazza – Uma Cartada Mortal
  122. Resenha: The Villainess – A Vilã
  123. Resenha: Train to Busan – Invasão Zumbi
  124. Resenha: Valerian e a Cidade dos Mil Planetas
  125. Resenha: Weightlifting Fairy Kim Bok Joo
  126. Clube do Livro: Prince Of Thorns
  127. Review: Canetas Aquareladas Dual Art Marker. Foi paixão ou decepção?
  128. Serie: Alias Grace
  129. Resenha: Shining Inheritance – Meu Dorama Favorito
  130. Sonata em Punk Rock. Musica clássica ou Punk Rock, eis a questão.
  131. Tá na Crise? Como ser uma Bookaholic econômica.
  132. TAG: Liebster Award
  133. TAG: Se eu fosse um Ser Imaginário
  134. Teu problema não é bloqueio criativo e sim procrastinar.
  135. The Battleship Island, uma emocionante batalha por liberdade.
  136. The lights divided
  137. Uma Indicação fod*tica, Não sou um homem fácil
  138. Vale a pena ter um blog em 2018
  139. VIPs : A historia do vigarista que enganou Amaury Jr
  140. Wishlist Literária – Janeiro
  141. Zeide: A Travessia de um Judeu entre nações e gerações
Resenha: Koe no Katachi / A Silent Voice

Olá Girafinhas, tudo bem?

Falta uma semana para minhas férias e já não vejo a hora de voltar com força total. Ontem assistir Koe no Katachi, um filme japonês com uma mensagem linda e ainda não me recuperei. É difícil ver uma produção abordar a temática do Bullying de uma maneira tão diferente, na qual o foco não é na vitima e sim no arrependimento do valentão.

Nome: Koe no Katachi/ A Silent Voice

Diretor: Naoko Yamada

Roteirista: Reiko Yoshida

Ano: 2016

País: Japão

Duração: 2h9min

Gênero: Escolar, Drama e Romance

Sinopse: Shouya é um bully, suas brincadeiras infantis são uma verdadeira tortura para sua colega de classe, Shouko, uma nova aluna surda. Conforme a coisa piora e todos ao seu redor parecem ignorar ou estimular as brincadeiras maldosas, Shouya passa dos limites, forçando Shouko a mudar de escola. Tendo sido considerado o culpado por tudo, agora é ele quem sofre torturas e Bullying, aprendendo na pele o seu erro. Agora, seis anos depois, o rapaz decide encarar de frente a menina que atormentou e tentar corrigir os erros do seu passado. Será que ele conseguirá sua redenção?

 

Fica até difícil saber por onde começar, são tantas coisas que gostaria de comentar sobre Koe no Karachi. Inicialmente, embora a temática Bullying seja bastante usada hoje em dia, Koe no Katachi conseguiu fugir ao feijão com arroz, apresentando um outro lado da moeda. A história tenta mostrar as cicatrizes que a intimidação deixa tanto na vítima quanto no valentão. Foi a primeira vez que vi uma história focar nos dois lados, geralmente não vemos a redenção do valentão. Além disso, o filme possui traços tão delicados que dava um outro tom para a temática. Assim como, tem um enredo tocante e personagens cativantes.

Shouya tinha uma vida normal, possuía amigos e se dava bem com seus colegas. Entretanto, com a chegada de uma aluna surda chamada Shouko, Shouya sente como se ela estivesse prejudicando a turma e passa a intimida-la.  As brincadeiras começam a passar do limite, até que Shouko é transferida de escola. Visto como o culpado, Shouya passa a sofrer na mesma medida e com isso reflete sobre seu erro. Anos mais tarde, o rapaz decide corrigir os seus erros e para isso reencontra Shouko.

O legal nessa produção é que coloca em prova, “será que as pessoas podem mudar?”. Shouya quando criança era um valentão, também era extrovertido e se dava bem com a “galera”. Em contra partido, depois que vive na pele o seu erro, se torna um jovem retraído e solitário. É interessante como no filme, não vemos o rosto dos demais colegas dele, isso porque, devido a intimidação que sofreu, não conseguia mais olhar para os rostos das pessoas. Bem como, Shouya passa a ouvir vozes maldosas na sua cabeça, o que o faz acreditar que são seu colegas falando.

Cansado, decide pagar as dividas do passado e por um fim na sua vida. No entanto, ao reencontrar Shouko e devolver o caderninho da garota, acaba perguntando se os dois poderiam se tornarem amigos. Para a sua surpresa a jovem aceita seu pedido de amizade, o que faz com que Shouya desista do suicídio.  Depois desse dia a vida do rapaz começa a mudar e posso dizer que gostei da forma como se seguiu  a sua redenção.

Agora focando na Shouko, uma personagem amorzinho. Quando criança foi parar na mesma escola de Shouya, por ela ter deficiência auditiva, tinha problemas para se socializar. Embora, se esforçasse para se enturmar, era excluída pelas outras garotas. Como também, era alvo de palavras maldosas, porém, o seu problema maior eram as brincadeiras do grupo do Shouya que acabavam passando do limite. Mesmo assim, Shouko tentava de alguma forma consegui a amizade dos seus colegas, inclusive do próprio valentão. No entanto, foi transferida antes que isso pudesse ter sido concretizado.

Shouko é uma personagem que nos dar vontade de proteger e dizer que tudo vai ficar bem. Mesmo passando por problemas, sempre mantinha um sorriso no rosto. Porém, por trás do seu sorriso, guardava uma cicatriz. Shouko, odiava a si mesmo, pois por causa de sua deficiência sentia como se isso prejudicassem as pessoas ao seu redor.

 

Conclusão

O final fez jus ao enredo simples e cativante, o que foi fechou de uma boa forma essa produção. Enfim, Koe no Katachi é um filme com aspectos delicados, mas que foca nas cicatrizes que o Bullying deixa nas pessoas. Assim como, trás a redenção de um ex valentão e como as pessoas podem mudar.

 

Nota


 

Comentários
Tags: ,
19 anos com carinha de 15 e ossos de 80. Vivo me aventurando em historias fantasísticas, na qual uma hora sou uma tributo na outra sou uma mochileira das galaxias. Estudante de Artes Visuais, amo desenhar e escrever, meu sonho de princesa é ser quadrinista ou trabalhar na Pixar. No blog, compartilho minhas paixões por livros, filmes e doramas. O Meio Assimétrica, está repleto de surtos e desabafos sobre meu cotidiano... Convido você a conhecer mais sobre esse cantinho, então se aconchegue ai.

Related Article

2 Comments

Cadu Pereira julho 24, 2017 at 1:40 pm

Fiquei interessado por esse anime!

Eu gosto das abordagens em assuntos como esse, afinal são situações totalmente diferentes quando comparamos com a nossa cultura. Há pontos similares, mas geralmente são situações bem mais complicadas.

Recentemente assisti Your Name, uma história completamente diferente, mas fica aí minha indicação.

🙂

    Ana Letícia julho 24, 2017 at 9:10 pm

    Olá Cadu. Espero que goste, o filme é bem emocionante e tem um toque marcante. Não assistir ainda Your Name, mas já estou pesquisando sobre ele.

Leave a Comment