in Livro

Resenha: Caraval

at
resenha-caraval

Olá Girafinhas

Já renovei o Domínio do Blog, ou seja, teremos Meio Assimétrica por mais um ano \o/. Hoje irei fazer a resenha de Caraval que como havia dito no post anterior, não foi tudo isso. Porém, se você esperou uma resenha destrutiva como no caso do O Nevoeiro – se enganou-  pois a narrativa tem pontos positivos e tentarei focar neles, ok?

Nome: Caraval 

Autora: Stephanie Garber

Editora: Novo Conceito

Ano: 2017

Paginas: 400

País: EUA

Gênero: Fantasia, Romance e Mistério

Sinopse:  Scarlett nunca saiu da pequena ilha onde ela e sua irmã, Donatella, vivem com seu cruel e poderoso pai, o Governador Dragna. Desde criança, Scarlett sonha em conhecer o Mestre Lenda do Caraval, e por isso chegou a escrever cartas a ele, mas nunca obtivera resposta. Agora, já crescida e temerosa do pai, ela está de casamento marcado com um misterioso conde, e certamente não terá mais a chance de encontrar Lenda e sua trupe, mas isso não a impede de escrever uma carta de despedida a ele. Dessa vez o convite para participar do Caraval finalmente chega à Scarlett. No entanto, aceitá-los está fora de cogitação, Scarlett não pretende desobedecer ao pai. Sendo assim, Donattela, com a ajuda de um misterioso marinheiro, sequestra e leva Scarlett para o espetáculo. Mas, assim que chegam, Donattela desaparece, e Scarlett precisa encontrá-la o mais rápido possível. O Caraval é um jogo elaborado, que precisa de toda a astúcia dos participantes. Será que Scarlett saberá jogar? Ela tem apenas cinco dias para encontrar sua irmã e vencer esta jornada.

Juro que não sei o que diabos aconteceu, porque vejo tantos comentários positivos sobre Caraval, sobre o quanto o livro é perfeito e sinceramente não consegui ver tudo isso.  Não quero dar uma do contra, mas a narrativa é muito simples e não possui nada de extraordinário. Porém, tenho que admitir que o único problema com a narrativa foi este, logo que criei altas expectativas para no final… Gostei da escrita de Stephanie, pois é de fácil entendimento e tem uma boa fluidez. Acredito que meu maior problema com o livro é ter esperado um clima mais pesado, embora tenha tido momentos mais “sombrios”,  a trama não me passou essa tensão.

Ainda assim, não posso esquecer que Caraval teve seu toque original e devido a escrita detalhada podemos imaginar os acontecimentos na historia. O ponto chave do livro é o paralelo entre a fantasia e a verdade, o que nos leva a pensar – Huum, será que isso é magia ou um truque? – Como também, fui enganada pela narrativa, pois ela me levou a acreditar em algo e no fim trazer uma revelação. Por mais que as revelações tenham me pegado de jeito, não conseguiram me empolgar.

“A avó de Scarlett costumava dizer que o mundo do Caraval era o domínio do Mestre Lenda. Nada se dizia sem que ele ouvisse. Nem um sussuro escapava a seus ouvidos, nenhuma sombra passava despercebida por seus olhos. Ninguém jamais via Lenda – ou quem via não sabia que era ele -, mas ele tudo via durante o Caraval. “

Scarlett é uma jovem insegura, ela e sua irmã Tella sofrem nas mãos de um pai violento.  Quando eram jovens, ouviam da avó historias fantásticas sobre um evento chamado Caraval e sobre o misterioso Mestre Lenda. Como as irmãs era proibidas de sair da ilha, Scarlett escrevia cartas para o Lenda. Nelas pedia para que o evento viessem para a ilha. No entanto, anos se passaram e suas cartas nunca foram respondidas. Prestes a casar, como despedida, Scarlett escreve mais uma vez e curiosamente é respondida, além de ganhar 3 ingressos para o Caraval.

Hesitante, a jovem acredita que não é uma boa ideia desobedecer o pai e por seu noivado em risco. Ao contrário dela, Tella se mostra empolgada e para dar uma forcinha, sequestra a irmã com a ajuda de um jovem  marinheiro. Entretanto, o que as duas não sabiam era que o Caraval nesse ano teria como temática principal o desaparecimento de Tella. Agora, Scarlett terá de vencer a sua insegurança e embarcar no jogo para recuperar sua irmã antes do fim do jogo.

Scarlett tentava se convencer de que o que estava vendo não era real. Os túneis queriam faze-la enlouquecer.

O Caraval é um jogo que mexe com a imaginação dos participantes, boa parte está lá para se distanciar da realidade enquanto tenta resolver a charada da vez. Não se sabe o que é verdade ou atuação, isso faz com que muitos participante se deixem levar pela loucura. Como havia dito, embora tenha esse ar mais sombrio, não consegui sentir o ” jogo psicológico” que a trama precisava e isso foi frustante para mim, já que sou amante desse estilo.

O ponto alta da historia para mim foi sem sombra de dúvida o desenvolvimento de Scarlett. A personagem começou retraída e bem insegura, não conseguia se arriscar e isso a diferenciava da irmã mais nova. No jogo a personagem não procurou apenas a irmã, como também estava em uma auto busca. Ali ela poderia se encontrar e descobri um “eu” mais forte. O romance foi no estilo que curto, meio inocente e fofinho (rsrs).  Assim como, iniciou-se com uma boa cumplicidade.

Conclusão

Uma dica para você que quer ler não só Caraval, mas qualquer outro livro – NÃO CRIEM EXPECTATIVAS ALTA ISSO VAI ESTRAGAR SUA LEITURA – Tenho certeza que se não tivesse criado muita expectativa teria curtido muito mais a trama, porém infelizmente acabou acontecendo. Digo de passagem que Caraval é sim uma boa leitura, dar para passar o tempo e viajar um pouco. Porém, tenho que admitir que a historia tinha potencial para ser melhor e isso é um pouco frustante para mim, mas…

Share:

Ana Letícia

18 anos de pura confusão e sedentarismo. Amo assistir filmes e sofrer por Doramas. Nas horas vagas adora ler e conferir uma serie nova na Netflix.

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d blogueiros gostam disto: