1. 10 Coisas que espantam qualquer leitor de um blog
  2. 10 Motivos para assistir Abnormal Summit
  3. 10 Dicas para fazer uma boa Resenha
  4. 3 Decepções Literárias
  5. 4 Clichês que nunca perdem a graça
  6. 5 Coisas que viciados em Livros já deve ter passado
  7. 5 Comédias Românticas Que Fogem aos Padrões
  8. 5 Doramas para te encher de Fofura
  9. 5 Filmes coreanos para assistir nas férias.
  10. 5 Filmes de Época para se apaixonar
  11. 5 Motivos para assistir Re: mind
  12. 52 Filmes em 52 Dias: As Sufragistas
  13. 52 Filmes em 52 Semanas: Marathon
  14. 6 Motivos para ler Extraordinário
  15. 7 Motivos para se apaixonar por I’m Not a Robot
  16. Acabe com a Neura do Layout Perfeito
  17. Resenha: Alice – Boy From Wonderland
  18. Show do Asian Kung Fu Generation em Fortaleza ( Um Sonho Realizado)
  19. Resenha: As Travessuras de uma Sereia
  20. Blogagem Coletiva: 3 Top das Galáxias
  21. Blogagem Coletiva: O que aprendi com a minha mãe
  22. Cantores que você precisa conhecer
  23. Capitão Fantástico e O Palhaço – Dois Filmes para por no pontinho
  24. Coisas que você precisa saber antes de migrar para o WordPress
  25. Conheça a animação nacional Até que a Sbornia nos Separe
  26. Conheça a tocante historia de Com amor, Van Gogh.
  27. Conheça a Ilustradora Daieny Schuttz.
  28. Conheça nossa nova parceira a autora Nina Spim.
  29. Conheça Wanna One e o programa que o formou – Produce 101 Season 2
  30. Conta Premium – Dramafever X VIKI
  31. Dar para se amar sendo fora do Padrão, beleza?
  32. DEAN aquele cantor que todo mundo precisa escutar
  33. Death Note: Iluminando um Novo Mundo. Uma nova historia com a mesma essência.
  34. Desafio: 12 meses Literários
  35. Desafio: 52 Filmes em 52 Semanas
  36. Resenha: Dirk Gently’s – 1° Temporada
  37. Doramas que precisam de Segunda temporada para já!
  38. 5 Doramas psicológicos que você tem que assistir
  39. Edição Econômica X Edição Normal – Qual vale a pena?
  40. Especial Dias das Mães: Indicação de Filmes
  41. Estreias de Doramas: Janeiro e Fevereiro 2017
  42. Faça edições incríveis com o Canva
  43. Filme: Judge
  44. Fragmentos do Horror – Horror em forma de arte
  45. Guia: Doramas para Iniciantes – Parte 1
  46. Para que plagiar se pode encontrar imagens de graça?
  47. Indicação: 5 Doramas que andei assistindo e recomendo.
  48. Lápis de cor Leo&Leo valem a pena?
  49. Melhores e piores adaptações de Animes/Mangás.
  50. Minhas Próximas Leituras
  51. Moana: Um Mar de Aventuras
  52. O que 2017 me deixou?
  53. O que andei assistindo…
  54. O que andou acontecendo na minha vida nesse período.
  55. O que tem na minha estante? Minhas Capas favoritas.
  56. Resenha: O Lar das Crianças Peculiares
  57. Onde assistir Doramas? Os Melhores Fanbub’s e App’s para te ajudar.
  58. Passe a Sexta- Feira 13 com a Saga Uma Noite de Crime
  59. Por que é importante não ter medo de mudar?
  60. Precisamos falar sobre a musica Instagram do DEAN
  61. Presence of the Almighty
  62. Presentes para O Dia dos Pais
  63. Querido(a) Blogueiro(a), mais respeito pelo trabalho dos colegas.
  64. Resenha: Rebel- Thief Of The People
  65. Resenha: 13 Reasons Why / Os 13 Porquês
  66. Resenha: A Bela e a Fera – Livro
  67. Resenha: A Elite
  68. Resenha: A Escolha
  69. Resenha: A Seleção
  70. Resenha: Achados e Perdido. – A Literatura pode mudar vidas.
  71. Resenha: Assassin’s Creed – Livro Oficial do Filme
  72. Resenha: Até que a Culpa nos Separe
  73. Resenha: Atypical
  74. Resenha: Battle Royale
  75. Resenha: Caraval
  76. Resenha: Cart
  77. Resenha: A Casa Vazia
  78. Resenha: Chicago Typewriter
  79. Resenha: Circle
  80. Resenha: Corte de Espinhos e Rosas
  81. Resenha: Corte de Névoa e Fúria
  82. Resenha: Deixe-me Em Paz
  83. Resenha: El Bar
  84. Resenha: Em Algum Lugar nas Estrelas
  85. Resenha: Goblin – The Lonely and Great God
  86. Resenha: Good Doctor
  87. Resenha: A História do Brasil Para Quem Tem Pressa
  88. Resenha: Hush – A Morte Ouve
  89. Resenha: Hwayi: A Monster Boy
  90. Resenha: Hyung
  91. Resenha: Koe no Katachi / A Silent Voice
  92. Resenha: Las Chicas del Cable
  93. Resenha: Las Chicas del Cable – 2° Temporada
  94. Resenha: Liar Game versão Coreana
  95. Resenha: Lion – Uma Jornada Para Casa
  96. Resenha: A Longa Marcha
  97. Resenha: Lookout
  98. Resenha: Moon Lovers Scarlet Heart Ryeo
  99. Resenha: My Wife’s having an affair Week
  100. Resenha: Naked Fireman
  101. Resenha: Nerve – Um Jogo Sem Regras
  102. Resenha: O Guia do Mochileiro das Galáxias
  103. Resenha: O Menino da Lista de Schindler
  104. Resenha: O Mínimo Para Viver
  105. Resenha: O Nevoeiro, mais uma decepção para lista.
  106. Resenha: O Sorriso da Hiena – Os Fins justificam os meios?
  107. Resenha: Oh My Venus
  108. Resenha: Pandora
  109. Resenha: Princess Hours Thai
  110. Resenha: Reportagem Exclusiva
  111. Resenha: Requisitos Para Ser Uma Pessoa Normal
  112. Resenha: Rotas de Fuga
  113. Resenha: Save Me
  114. Resenha: The Sound Of Your Heart
  115. Resenha: Stranger / Secret Forest
  116. Resenha: Stranger Things – 1° Temporada.
  117. Resenha: Strongest Deliveryman
  118. Resenha: Sukina Hito Ga Iru Koto
  119. Resenha: Tazza – Uma Cartada Mortal
  120. Resenha: The Villainess – A Vilã
  121. Resenha: Train to Busan – Invasão Zumbi
  122. Resenha: Valerian e a Cidade dos Mil Planetas
  123. Resenha: Weightlifting Fairy Kim Bok Joo
  124. Clube do Livro: Prince Of Thorns
  125. Serie: Alias Grace
  126. Resenha: Shining Inheritance – Meu Dorama Favorito
  127. Sonata em Punk Rock. Musica clássica ou Punk Rock, eis a questão.
  128. Tá na Crise? Como ser uma Bookaholic econômica.
  129. TAG: Liebster Award
  130. TAG: Se eu fosse um Ser Imaginário
  131. Teu problema não é bloqueio criativo e sim procrastinar.
  132. The Battleship Island, uma emocionante batalha por liberdade.
  133. The lights divided
  134. Uma Indicação fod*tica, Não sou um homem fácil
  135. Vale a pena ter um blog em 2018
  136. VIPs : A historia do vigarista que enganou Amaury Jr
  137. Wishlist Literária – Janeiro
  138. Zeide: A Travessia de um Judeu entre nações e gerações
Serie: Alias Grace

Olá Girafinhas

Andei um pouco sumida, mas prometo me organizar logo, ok? Como quem já me segue a um bom tempo sabe, amo historias de época e recentemente lançou na NETFLIX Alias Grace, como não sou boba nem nada, resolvi maratonar nesse sábado. Fico até sem saber o que dizer desta serie, pois foi bem complexa e possui varias interpretações para o final.  Nem precisa dizer que foi disso que mais gostei ou precisa?

Nome: Alias Grace

Roteiro: Margaret Atwood, Sarah Polley

País: Canadá

Ano: 2017

Episódios: 6

Gênero: Mistério, Drama, Época e Biográfico

Sinopse: Grace Marks (Sarah Gadon) é uma jovem irlandesa de classe média baixa, que decide tentar a vida no Canadá. Contratada para trabalhar como empregada doméstica na casa de Thomas Kinnear (Paul Gross), ela é condenada à prisão perpétua pelo assassinato brutal do seu patrão e da governanta da casa, Nancy Montgomery (Anna Paquin). Passados 16 anos desde o encarceramento da imigrante, o Dr. Simon Jordan (Edward Holcroft) se apaixona por Grace e fará de tudo para descobrir a verdade sobre o caso.

Alias Grace é aquela serie que te prende do começo ao fim. A cada relato de Grace nos deixa mais e mais curiosos para saber se ela é ou não culpada. A trama me lembrou Dom Casmurro e possui a mesma genialidade da obra machadiana. O que torna o mistério tão complexo é a maneira como é contado, haja visto que a historia do acontecimento é contada em primeira pessoa, ou seja, pela Grace. Saber se a personagem está falando a verdade ou mentido é bem difícil, acredito que é uma escolha pessoal, basta saber se você prefere acreditar nela ou acusa-la como os demais. Obviamente, quando alguém é acusado de algo, ele sempre vai tentar tirar a culpa de alguma forma, porém não consigo dizer se Grace é de fato culpada, algo em mim preferiu acreditar na personagem.

Grace Marks é um verdeiro mistério para a sociedade canadense. Acusada de ter participado do assassinato do patrão e da governanta de onde trabalhava, Grace conseguiu escapar da forca, mas foi sentenciada a  prisão perpetua. Passaram-se 15 anos e surgi o Dr. Simon Jordan que irá ajudar-la a viajar pelas suas memorias perdidas e desvendar o que de fato aconteceu. Porém, a medida que se passam as consultas, Dr. Jordan percebe o quanto a jovem é complexa e resolver o quebra – cabeça não será uma tarefa fácil.

Grace foi uma personagem bem construída e pelos flashback’s podemos ver o quanto ela amadureceu. Na sua adolescência Grace se descreve como uma jovem ingênua que sofria nas mãos de um pai bêbado. Ainda nova teve que arrumar emprego como empregada e lá fez uma grande amizade com a jovem Mary.  As duas eram inseparáveis, mas após um acontecimento Mary veio a falecer, fazendo com que Grace se senti-se mais uma vez sozinha. Não demorou muito até  que muda-se de emprego e esse foi seu maior erro.

A atual Grace era madura, os anos na cadeia e no hospício tiraram toda sua juventude. A personagem narrava sua versão de uma forma profunda e as vezes alfinetava a sociedade daquele época, principalmente o machismo. Não demorou muito para sua complexividade conquistar o Dr. Jordan, mas engana-se que espera um romance, haja visto que o ponto principal é o acontecimento daquele dia.

Dr. Jordan era inteligente e sensato, embora estivesse começando a sentir algo por sua paciente, mantinha seus sentimentos longe da razão. Queria descobri a verdade e ouvia o relato da jovem com um cuidado extra. Algumas partes do que era relatado tiravam-la de qualquer suspeita, no entanto, havia outros que aumentavam a dúvida, assim como, era difícil ter 100% de certeza quando a paciente teve amnesia.

Se Grace tinha motivos para cometer os assassinatos? Veja bem a história, após arrumar um novo emprego em uma casa de um homem rico e liberal.  Grace tinha que fazer boa parte do trabalho sujo, enquanto a governanta, Nancy, apenas arrumava defeitos. Assim como, seu patrão embora não mostrasse, tem uma grande chance dele ter tentado abusar da jovem. Além disso, Nancy era amante de Thomas Kinnear e estava começando a sentir ciumes da jovem.

Minha opinião sobre o que de fato aconteceu – Alerta spoiler

O final em aberto deixou os telespectador livre para tirá as próprias conclusões e eu tive as minhas. Inicialmente, acredito que Grace não mentiu em tudo, é bem difícil alguém contar algo tão detalhadamente sem se contradizer nenhuma vez.  Houve 3 fragmentos na memoria da personagem que ela mudou ou omitiu na hora de contar ao Dr. Jordan. O primeiro fragmento, tem Nancy brigando com Grace e dizendo  mais ou menos “Pensa que não sei o que você pretende fazer?” e assim saiu, deixando a jovem desolada.

O segundo, tem claramente Grace decepcionada com a possível demissão e dizendo para James que queria que Nancy morre-se, porém pareceu ter sido uma afirmação da boca para fora. Nesse fragmente o rapaz diz, “Depois do que irei fazer, você me verá diferente, pode guardar meu segredo?” E o terceiro, tem Grace se escondendo de Thomas Kinnear. A jovem aparentava está assustada e a cena termina quando Grace é agarrada por ele. Acredito que se a jovem realmente participou dos assassinatos foi por um motivo que vai muito além do dinheiro da casa.

Sobre a sessão de hipnose. Grace deixava claro que ela falava o que as pessoas queriam ouvir sobre o caso e vamos ser sinceros, as pessoas queriam que ela fosse a culpada. Para mim, a personagem foi inteligente ao assumir a culpa sem assumir, até porque mesmo que ela falasse que era inocente, ninguém iria acreditar. As pessoas claramente iriam distorcer o que ela falou e acredito que aquilo foi uma jogada de mestre.  – Grace rainha, o resto nadinha.

Conclusão

Alias Grace, vai mexer com sua mente e vai te deixar horas se questionando sobre o que aconteceu. A serie é curta e em apenas uma tarde consegui ver tudo. A trama é rica e a maneira que Grace narra os acontecimentos e expõe suas opiniões foram uma das melhores partes. Nem precisa dizer que adorei a complexabilidade da personagem  e mesmo que de alguma forma ela tenha sido culpada, ainda irei adora-la pela sua força maturidade. Enfim, assistam e depois voltem aqui, quero saber as teorias de vocês.

 

 

Comentários
Tags: ,
19 anos com carinha de 15 e ossos de 80. Vivo me aventurando em historias fantasísticas, na qual uma hora sou uma tributo na outra sou uma mochileira das galaxias. Estudante de Artes Visuais, amo desenhar e escrever, meu sonho de princesa é ser quadrinista ou trabalhar na Pixar. No blog, compartilho minhas paixões por livros, filmes e doramas. O Meio Assimétrica, está repleto de surtos e desabafos sobre meu cotidiano... Convido você a conhecer mais sobre esse cantinho, então se aconchegue ai.

Related Article

9 Comments

Nati Rabelo novembro 23, 2017 at 9:21 am

Essa série ta o maior hype! Eu não tinha parado pra ver do que se trata, até agora. E me pareceu uma história bem complexa e que deve exigir bastante da atriz principal. Eu achei bem interessante, mas não sei, acho que vou assistir depois o primeiro capítulo pra ver se pego o gosto.

Erika Monteiro novembro 23, 2017 at 4:34 am

Oi, tudo bem? Me indicaram essa série na semana passada fiquei tão curiosa que assisti todos os episódios num mesmo dia. O primeiro ponto positivo é ela ser de época, depois tem o figurino, além de abordar realidade de três países: Irlanda, Canadá e EUA. Na minha teoria também acredito que ela apenas disse o que as pessoas esperavam. Eles queriam culpar alguém então ela foi a “presa” mais fácil. É uma série inteligente que nos faz pensar. Estou até agora analisando se ela é culpada ou não. Beijos, Érika =^.^=

César Rezende novembro 22, 2017 at 3:51 am

Será que ganhei um substituto pra assistir após terminar de assistir “Black Mirror”? Acho que sim!
Achei a história interessantíssima, e enquanto estava começando a me incomodar como “ah, lá vem o doutor bonzinho-que-vai-se-apaixonar salvar a nossa heroína”, você ressaltou que justamente seria um engano “esperar por um romance”. Alívio define.

Parece ser uma história inteligentíssima, e a sua acusação de “machadismo” só parece reforçar isso! Acatando mesmo essa dica!

Nilda de Souza novembro 22, 2017 at 12:21 am

Ainda não vi essa série, mas está na minha lista. Tenho lido muitas resenhas positivas, assim como sua. O grande destaque é mesmo para a complexidade da personagem. E que bom que estamos vendo mais personagens femininas complexas.
Eu gosto muito de assistir séries que tratam da questão dos direitos das mulheres.
Beijos

Thainá Christine novembro 21, 2017 at 11:33 pm

Olá!
Estou muito curiosa para assistir essa série e ingressar de cabeça na leitura do livro, assim como também quero fazer ambas as coisas com O Conto de Aia, da mesma autora. Só não sei por onde começar, hahaha. Esse estilo machadiano foi o que mais me deixou interessada nessa história, pois gosto quando o autor deixa para o leitor a decisão de acreditar ou não no narrador da história, aquilo de ser um narrador não confiável, né? Só queria aproveitar o gancho para dizer que li Dom Casmurro esse ano e me apaixonei! Talvez por isso eu esteja procurando por mais histórias intrigantes e que me prendam. Já coloquei a série na listinha infinita da Netflix, vou tentar assisti-la assim que eu entrar de férias da faculdade.

Mari novembro 21, 2017 at 10:19 pm

Também amei a série e a complexidade de Grace. Não sei se ela é culpada ou alguém muito doente, mas achei legal que a série apresenta elementos que deixam que você tire suas próprias conclusões.
Beijos
Mari
Pequenos Retalhos

Isa Nonemacher novembro 21, 2017 at 9:03 pm

Adoro séries com crimes e com tema policial, são as mais envolventes. Logo de cara me apaixonei pela personagem só pelo fato de ser irlandesa e ir para o Canada (vamos combinar que ninguém mais aguenta seriezinha americana). Vou colocar na minha lista do netflix para maratonar qualquer hora. Ótima dica ;D

Beijos
Isa Nonemacher

Ane Carol novembro 21, 2017 at 2:24 pm

É incrível como tem coisas legais na Netflix que a gente nem fica sabendo né? Não conhecia a série, mas sua resenha me deixou curiosa, Pulei a parte dos spoilers, mas acho que vou dar uma chance quando estiver com tempo livre. Valeu a dica.

Stephanie Ferreira novembro 19, 2017 at 5:07 pm

To doida pra ver, ta na minha lista, dizem que é uma das melhores séries de época que existem. O melhor é que Netflix tem qualidade, é curtinha e da pra ver tudo de uma vez né <3

Leave a Comment