in Series

Serie: Alias Grace

at
serie-alias-grace

Olá Girafinhas

Andei um pouco sumida, mas prometo me organizar logo, ok? Como quem já me segue a um bom tempo sabe, amo historias de época e recentemente lançou na NETFLIX Alias Grace, como não sou boba nem nada, resolvi maratonar nesse sábado. Fico até sem saber o que dizer desta serie, pois foi bem complexa e possui varias interpretações para o final.  Nem precisa dizer que foi disso que mais gostei ou precisa?

Nome: Alias Grace

Roteiro: Margaret Atwood, Sarah Polley

País: Canadá

Ano: 2017

Episódios: 6

Gênero: Mistério, Drama, Época e Biográfico

Sinopse: Grace Marks (Sarah Gadon) é uma jovem irlandesa de classe média baixa, que decide tentar a vida no Canadá. Contratada para trabalhar como empregada doméstica na casa de Thomas Kinnear (Paul Gross), ela é condenada à prisão perpétua pelo assassinato brutal do seu patrão e da governanta da casa, Nancy Montgomery (Anna Paquin). Passados 16 anos desde o encarceramento da imigrante, o Dr. Simon Jordan (Edward Holcroft) se apaixona por Grace e fará de tudo para descobrir a verdade sobre o caso.

Alias Grace é aquela serie que te prende do começo ao fim. A cada relato de Grace nos deixa mais e mais curiosos para saber se ela é ou não culpada. A trama me lembrou Dom Casmurro e possui a mesma genialidade da obra machadiana. O que torna o mistério tão complexo é a maneira como é contado, haja visto que a historia do acontecimento é contada em primeira pessoa, ou seja, pela Grace. Saber se a personagem está falando a verdade ou mentido é bem difícil, acredito que é uma escolha pessoal, basta saber se você prefere acreditar nela ou acusa-la como os demais. Obviamente, quando alguém é acusado de algo, ele sempre vai tentar tirar a culpa de alguma forma, porém não consigo dizer se Grace é de fato culpada, algo em mim preferiu acreditar na personagem.

Grace Marks é um verdeiro mistério para a sociedade canadense. Acusada de ter participado do assassinato do patrão e da governanta de onde trabalhava, Grace conseguiu escapar da forca, mas foi sentenciada a  prisão perpetua. Passaram-se 15 anos e surgi o Dr. Simon Jordan que irá ajudar-la a viajar pelas suas memorias perdidas e desvendar o que de fato aconteceu. Porém, a medida que se passam as consultas, Dr. Jordan percebe o quanto a jovem é complexa e resolver o quebra – cabeça não será uma tarefa fácil.

Grace foi uma personagem bem construída e pelos flashback’s podemos ver o quanto ela amadureceu. Na sua adolescência Grace se descreve como uma jovem ingênua que sofria nas mãos de um pai bêbado. Ainda nova teve que arrumar emprego como empregada e lá fez uma grande amizade com a jovem Mary.  As duas eram inseparáveis, mas após um acontecimento Mary veio a falecer, fazendo com que Grace se senti-se mais uma vez sozinha. Não demorou muito até  que muda-se de emprego e esse foi seu maior erro.

A atual Grace era madura, os anos na cadeia e no hospício tiraram toda sua juventude. A personagem narrava sua versão de uma forma profunda e as vezes alfinetava a sociedade daquele época, principalmente o machismo. Não demorou muito para sua complexividade conquistar o Dr. Jordan, mas engana-se que espera um romance, haja visto que o ponto principal é o acontecimento daquele dia.

Dr. Jordan era inteligente e sensato, embora estivesse começando a sentir algo por sua paciente, mantinha seus sentimentos longe da razão. Queria descobri a verdade e ouvia o relato da jovem com um cuidado extra. Algumas partes do que era relatado tiravam-la de qualquer suspeita, no entanto, havia outros que aumentavam a dúvida, assim como, era difícil ter 100% de certeza quando a paciente teve amnesia.

Se Grace tinha motivos para cometer os assassinatos? Veja bem a história, após arrumar um novo emprego em uma casa de um homem rico e liberal.  Grace tinha que fazer boa parte do trabalho sujo, enquanto a governanta, Nancy, apenas arrumava defeitos. Assim como, seu patrão embora não mostrasse, tem uma grande chance dele ter tentado abusar da jovem. Além disso, Nancy era amante de Thomas Kinnear e estava começando a sentir ciumes da jovem.

Minha opinião sobre o que de fato aconteceu – Alerta spoiler

O final em aberto deixou os telespectador livre para tirá as próprias conclusões e eu tive as minhas. Inicialmente, acredito que Grace não mentiu em tudo, é bem difícil alguém contar algo tão detalhadamente sem se contradizer nenhuma vez.  Houve 3 fragmentos na memoria da personagem que ela mudou ou omitiu na hora de contar ao Dr. Jordan. O primeiro fragmento, tem Nancy brigando com Grace e dizendo  mais ou menos “Pensa que não sei o que você pretende fazer?” e assim saiu, deixando a jovem desolada.

O segundo, tem claramente Grace decepcionada com a possível demissão e dizendo para James que queria que Nancy morre-se, porém pareceu ter sido uma afirmação da boca para fora. Nesse fragmente o rapaz diz, “Depois do que irei fazer, você me verá diferente, pode guardar meu segredo?” E o terceiro, tem Grace se escondendo de Thomas Kinnear. A jovem aparentava está assustada e a cena termina quando Grace é agarrada por ele. Acredito que se a jovem realmente participou dos assassinatos foi por um motivo que vai muito além do dinheiro da casa.

Sobre a sessão de hipnose. Grace deixava claro que ela falava o que as pessoas queriam ouvir sobre o caso e vamos ser sinceros, as pessoas queriam que ela fosse a culpada. Para mim, a personagem foi inteligente ao assumir a culpa sem assumir, até porque mesmo que ela falasse que era inocente, ninguém iria acreditar. As pessoas claramente iriam distorcer o que ela falou e acredito que aquilo foi uma jogada de mestre.  – Grace rainha, o resto nadinha.

Conclusão

Alias Grace, vai mexer com sua mente e vai te deixar horas se questionando sobre o que aconteceu. A serie é curta e em apenas uma tarde consegui ver tudo. A trama é rica e a maneira que Grace narra os acontecimentos e expõe suas opiniões foram uma das melhores partes. Nem precisa dizer que adorei a complexabilidade da personagem  e mesmo que de alguma forma ela tenha sido culpada, ainda irei adora-la pela sua força maturidade. Enfim, assistam e depois voltem aqui, quero saber as teorias de vocês.

 

 

Share:

Ana Letícia

18 anos de pura confusão e sedentarismo. Amo assistir filmes e sofrer por Doramas. Nas horas vagas adora ler e conferir uma serie nova na Netflix.

9 Comments

  1. Nati Rabelo

    Essa série ta o maior hype! Eu não tinha parado pra ver do que se trata, até agora. E me pareceu uma história bem complexa e que deve exigir bastante da atriz principal. Eu achei bem interessante, mas não sei, acho que vou assistir depois o primeiro capítulo pra ver se pego o gosto.

    23 . nov . 2017
  2. Erika Monteiro

    Oi, tudo bem? Me indicaram essa série na semana passada fiquei tão curiosa que assisti todos os episódios num mesmo dia. O primeiro ponto positivo é ela ser de época, depois tem o figurino, além de abordar realidade de três países: Irlanda, Canadá e EUA. Na minha teoria também acredito que ela apenas disse o que as pessoas esperavam. Eles queriam culpar alguém então ela foi a “presa” mais fácil. É uma série inteligente que nos faz pensar. Estou até agora analisando se ela é culpada ou não. Beijos, Érika =^.^=

    23 . nov . 2017
  3. César Rezende

    Será que ganhei um substituto pra assistir após terminar de assistir “Black Mirror”? Acho que sim!
    Achei a história interessantíssima, e enquanto estava começando a me incomodar como “ah, lá vem o doutor bonzinho-que-vai-se-apaixonar salvar a nossa heroína”, você ressaltou que justamente seria um engano “esperar por um romance”. Alívio define.

    Parece ser uma história inteligentíssima, e a sua acusação de “machadismo” só parece reforçar isso! Acatando mesmo essa dica!

    22 . nov . 2017
  4. Nilda de Souza

    Ainda não vi essa série, mas está na minha lista. Tenho lido muitas resenhas positivas, assim como sua. O grande destaque é mesmo para a complexidade da personagem. E que bom que estamos vendo mais personagens femininas complexas.
    Eu gosto muito de assistir séries que tratam da questão dos direitos das mulheres.
    Beijos

    22 . nov . 2017
  5. Thainá Christine

    Olá!
    Estou muito curiosa para assistir essa série e ingressar de cabeça na leitura do livro, assim como também quero fazer ambas as coisas com O Conto de Aia, da mesma autora. Só não sei por onde começar, hahaha. Esse estilo machadiano foi o que mais me deixou interessada nessa história, pois gosto quando o autor deixa para o leitor a decisão de acreditar ou não no narrador da história, aquilo de ser um narrador não confiável, né? Só queria aproveitar o gancho para dizer que li Dom Casmurro esse ano e me apaixonei! Talvez por isso eu esteja procurando por mais histórias intrigantes e que me prendam. Já coloquei a série na listinha infinita da Netflix, vou tentar assisti-la assim que eu entrar de férias da faculdade.

    21 . nov . 2017
  6. Mari

    Também amei a série e a complexidade de Grace. Não sei se ela é culpada ou alguém muito doente, mas achei legal que a série apresenta elementos que deixam que você tire suas próprias conclusões.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    21 . nov . 2017
  7. Isa Nonemacher

    Adoro séries com crimes e com tema policial, são as mais envolventes. Logo de cara me apaixonei pela personagem só pelo fato de ser irlandesa e ir para o Canada (vamos combinar que ninguém mais aguenta seriezinha americana). Vou colocar na minha lista do netflix para maratonar qualquer hora. Ótima dica ;D

    Beijos
    Isa Nonemacher

    21 . nov . 2017
  8. Ane Carol

    É incrível como tem coisas legais na Netflix que a gente nem fica sabendo né? Não conhecia a série, mas sua resenha me deixou curiosa, Pulei a parte dos spoilers, mas acho que vou dar uma chance quando estiver com tempo livre. Valeu a dica.

    21 . nov . 2017
  9. Stephanie Ferreira

    To doida pra ver, ta na minha lista, dizem que é uma das melhores séries de época que existem. O melhor é que Netflix tem qualidade, é curtinha e da pra ver tudo de uma vez né <3

    19 . nov . 2017

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d blogueiros gostam disto: