Olá Girafinhas

Só agora caiu a ficha que 2017 está acabando, como esse ano passou rápido. Algumas pessoas acharam que esse ano foi ruim, outras gostaram. Sempre me dei melhor com anos impares e esse não foi diferente. Vou guardar algumas lembranças com carinho e outras como uma lição.  Trago hoje uma retrospectiva pessoal, mas logo venho com algumas relacionadas ao tema do blog.

1° Há males que vem para o bem.

Se tem uma coisa que tenho que agradecer de coração, é não ter passado no ENEM no começo do ano. Se eu soubesse que mais tarde teria uma recompensa tão grande, iria ter poupado algumas lagrimas. Esses 6 meses que fiquei estudando no cursinho pude conhecer pessoas novas, lugares e somar mais conhecimento. Além disso, no começo do ano, tinha apostado em Sistema de Mídias Digitais, ainda é um curso que pretendo fazer no futuro, mas Artes Visuais é tão minha cara.  Me sinto realizada de está  cursando-o, pois é tudo do que mais gosto.  Então coleguinha se por acaso você não conseguir entrar na faculdade no primeiro semestre, não se abale, pois essa pode ser uma oportunidade de se conhecer melhor e quem sabe no meio do ano ou no próximo você entre em um curso que combine com você.

2° Nada é impossível 

Outra coisa que pude aprender esse ano e até comentei nesse post Show do Asian Kung Fu Generation…É que nada é impossível, até mesmo aquela sua banda favorita do outro lado do mundo pode vim fazer um show na sua cidade. Sabe o quanto eu sonhei por esse momento que tanto achei distante de acontecer? Enfim, a ficha só caiu um dia depois do acontecido e se não fosse pelo meu amigo que foi comigo, juraria que tudo não tinha passado de um sonho.  Nunca deixe de acreditar em seus sonhos, acredite fortemente e corra atrás, porque vai se concretizar.

3° Dar mais valor as pessoas ao seu redor

2017 fez perceber o quanto a vida é valiosa e que a qualquer momento ela pode acabar. Cometei em um outro post sobre a morte de minha madrasta (aqui) , não era muito próxima dela, mas sua partida me deixou um vazio que até hoje não sei explicar. Ainda esse ano perto do final, a comunidade kpop teve que dar adeus a Jonghyun – membro do grupo Shinee. É a primeira vez que cometo sobre a morte dele no blog, pois para ser sincera ainda me custa aceitar. Não esperava por isso, foi uma noticia que veio de uma vez e que me deixou por vários dias mal. Nunca pensei que iria me abalar tanto, pois sempre fui um tanto fria, porém, saber que ele estava sofrendo ao ponto de tirar sua própria vida me abalou de uma forma.

Depressão não é brincadeira, fraqueza ou frescura. É uma doença seria que não escolhe cor, status ou etnia. Vivemos em uma selva de pedra, onde pessoas acham que ridicularizar um morto porque ele é cantor de kpop é “normal”. Para evitar que mais pessoas sofram como o Jonghyun, nunca as deixem sozinhas, façam o seu melhor para mostrar que elas são importantes para sua vida. Diga sempre que as amam e jamais deixem que esse mundo cruel as tire de você. Não é pelo fato de ter sido um famoso e sim por uma vida tão nova te se deixado ceifar.

4° O que é 37 na fila do pão?

Saindo do tema triste e partido para a mesma premissa que Nada é impossível. Fiquei na lista de espera para entrar no curso de Artes Visuais, minha colocação era 38° para você ter noção. Nem mesmo minha mãe acreditou que eu iria ser chamada, vou ser sincera até mesmo eu já tinha certeza que iria para os regentes. Porém, como sou cabeça dura, resolvi ir mesmo assim para a chamada. Estava meio calma naquele dia, até porque estava conformada, mas como tinha feito minha tia me acompanhar, tive que mostrar um pouco de confiança.

Meu curso foi o primeiro a ser chamado e fiquei feliz pelas pessoas que estavam sendo chamadas, mas a medida que se aproximada do limite de vagas, meu coração foi apertando. Eis que vários nomes foram chamados sem respostas, até que veio o meu. Tudo que lembro foi de ter me levantado toda tremendo e indo em direção ao auditório. (Não sei como não cai daquilo).  Enfim, esse tópico foi só para reforçar a mensagem de que tenha confiança em você, não desista de seus objetivos por causa dos outros, porque você é CAPAZ.

6° Me amar do jeitinho que sou

Esse ano passei por uma longa e cansativa transição capilar que já chegou ao fim. Eu ouvi um amém? Depois coloco a foto com meu visual novo, fiquem no aguardo. Então, não sei se você já ouviram aquela frase, “É preciso perder algo para dar valor?”. Não me arrependo de ter alisado meu cabelo, pois sem isso não teria visto o quanto amo meus cachos.  Desde que sou pequena sempre ouvia as pessoas perguntarem “Por que você não alisa o cabelo?” ou então ouvia “Você ficaria mais bonita de cabelo liso”. Alias, até mesmo depois da transição ainda escuto de pessoas próximas que eu devia voltar a ter o cabelo liso. MENOS, BEM MENOS.

Você não sabem o quanto  fiquei feliz quando me livrei de todo o liso, mesmo quando minha auto estima estava lá em baixo com alguns comentário. Foi uma decisão MINHA, eu sabia o que QUERIA. As pessoas precisam entender isso, “Ah, mas é apenas um comentário. Deixa de MIMI”, se você tivesse que escutar 24 horas por dia que seu cabelo natural não é bonito, queria ver se não faria um MIMI. Que alias, “MIMI” parece coisa de criança que não sabe argumentar. Colega faça o que você se sente bem, se você se acha bonita com cabelo liso, beleza, continue alisando e o mais importante seja FELIZ. Se você prefere o cabelo cacheado, faça a transição, é libertador. Acima de tudo, faça algo que você realmente queira, seja liso, seja cacheado.

7° É possível amar uma coisa tão pequena

Esse foi o ano que minha sobrinha vulgo Princesa Elfa nasceu. Gente, nunca pensei que poderia amar uma coisinha tão pequena, por incrível que pareça virei uma titia coruja. Por enquanto, ela tem 2 meses e só dorme e mama, porém de vez em quando faço umas macacadas que a faz ri. ( Sim gente, quando vira tia a vergonha some). Talvez eu fale mais sobre ela no futuro e espero que minha elfa cresça com saúde e se ela quiser seguir os caminhos das artes, vou dar todo apoio.

 

Fazendo esse post percebi que meu 2017 foi um ano muito bom. Claro que tudo na vida tem altos e baixos, mas as vezes precisamos olhar para as coisas boas e deixar de lado as ruins. Não coloquei tudo que aconteceu, mas deixei apenas o que mais marcou e o que pretendo levar para 2018. Falta 2 dias para iniciar um novo ano e quero te desejar toda paz e felicidade do mundo.

Tags: , ,
18 anos de pura confusão e sedentarismo. Amo assistir filmes e sofrer por Doramas. Nas horas vagas adora ler e conferir uma serie nova na Netflix.

Related Article

0 Comments

Leave a Comment

Ana Letícia, 18 anos nas costas, faço Artes Visuais no IFCE. Geek, Dorameira e Bookaholic, juntei esses três Hobbies para escrever nesse cantinho especial…


Saiba mais.

Social

%d blogueiros gostam disto: